Existem filmes que a gente nunca esquece, que ficam e marcam nossa história. E se não fosse as trilhas o que seriam deles? Reuni aqui alguma das trilhas sonoras mais marcantes da história do cinema, é claro, que há muitos outros, e provavelmente devo ter me esquecido de algum. Bem aí vão algum deles...

Psicose

  Esse filme se tornou um marco em  filmes de suspense, dirigido pelo cineasta Alfred Hitchcok, sua trilha sonora se tornou mundialmente conhecida. É de dá medo.... Bernard Herrmann, o compositor, capitou com maestria em suas notas todo o suspense e drama do enredo do filme.


Star Wars

  Não preciso falar, que sou super fã de Star Wars (neeeeerd...)! E aquele musiquinha de Darth Vader, não tinha como ficar fora dessa lista. A Imperial March, foi criada pelo John Williams e é  tocada no filme nas aparições dos maiores vilões da história, sempre relacionada com o "lado negro da força". O filme foi indicado  a dez Oscar's, dos quais só ganhou 6, incluindo Melhor Som e Melhor Trilha Sonora.

                                         


Dirty Dancing 

(I've Had) the Time of my life é uma das minhas preferidas. Sou apaixonada pelo filme, e a dança final é simplesmente linda! A música é uma performance de Bill Medlley e Jennifer Warnes. No filme, duas outras músicas são destaques: Be My Baby e She's like the wind, esta última cantada pelo próprio Patrick Swayze.




Um odisseia no espaço

Vou ser sincera e dizer que nunca assisti a esse filme, o mais incrível é que eu conhecia a música! Dá para ver o quanto a trilha influencia no conceito que a gente tem do filme, essa trilha se tornou tão conhecida que (como no meu caso) superou até mesmo o filme. O filme é considerado um dos maiores clássicos de ficção cientifica já feito. A música Also Sprach Zarathustra é um poema composto Richard Strauss. Incrível!



O Guarda costas 

 Demorei muito tempo para saber que essa música (I will always love you), cantada pela inesquecível Whitney Houston, era desse filme. A cena que ela canta essa música é simplesmente linda! Não tem como não se emocionar com uma música como essa. A música foi composta e originalmente cantada por Dolly Parton, mas foi na voz poderosa de Whitney no filme que ela arrebatou corações.

Tubarão

  A trilha sonora de Tubarão, composta por Jonh Willians, o mesmo gênio responsável pela trilha de Star Wars e de outros filmes de renome como Harry Potter, Indiana Jones, Super Man (de Christopher Reeve) e muitos outros, é uma das trilhas mais incríveis que já vi.  Ganhador de três Oscar's, incluindo de Melhor Som e Melhor Trilha Sonora.


Titanic


  Só de escutar o comecinho da música dá vontade de chorar....A música My Heart Will Go On, tema principal do filme, é cantada pela ilustre Celine Dion, e faz qualquer um se derreter. Ela foi composta Horner e Will Jennings e chegou a ficar em primeiro lugar nas paradas de sucessos em vários lugares do mundo, incluindo o Brasil.


Indiana Jones e Os Caçadores da Arca Perdida

Como já falado a trilha (Raiders March) de Indiana Jones, dirigido por Steven Spilberg, foi de John Williams.  O filmes é protagonizado por Harrison Ford e foi um grande sucesso de 1981, ganhando quatro Oscar's, e um especial por Edição de Efeitos Sonoros.


Missão Impossível

  Quem nunca ouviu essa musiquinha?
  Sabe aquelas provas da escola que parecem horríveis? E aquele assunto que não entre de jeito nenhum na cabeça? Pois é. Eu tinha um professor que cantarolava essa musica todas as vezes que acontecia isso e depois dizia: "Isso não é uma missão impossível!"  Brincadeiras à parte, essa realmente marcou o cinema, quase todas as paródias que já vi, de filmes de espiões ou coisa do tipo, sempre aparece essa música. O filme teve Tom Cruise com protagonista e era inspirado na série de TV dos anos 60, a música foi composta por Lalo Schifrin.

Uma Linda Mulher 

"Pretty Woman",  de Roy Orbison  é um música que vale ser lembrada nessa lista. O filme dirigido por Gary Marshall e estrelado por Julias Roberts e Richard Gere, encantou uma geração na linda história de amor entre uma prostituta e  com um milionário.  Além de uma trilha sensacional o filme é considerado pela crítica com o maior sucesso do gênero. Não tem como não se encantar...


  Por hoje, é só. Como a história do cinema é repleta de músicas inesquecíveis, não deu para reunir tudo em um único post, em breve estarei fazendo um outro post com a parte 2, e talvez a parte 3. (são muitos filmes!). Espero que tenham gostado.

  

  Anunciando com muita felicidade duas novas parcerias do blog!  Queria até me desculpar com esta primeira, por que estava sem tempo para divulgar, mas aqui vai.
   Espero que gostem, por que eu amei estes duas cantinhos, e me apaixonei por eles.






Passion For Book's

Este blog é escrito pelas blogueiras Ângela Rosa e Beatriz Belo. Ele tem uma linguagem bem jovial e encantadora e assim como o My Litlle Wonderland, está bem no comecinho. Vale dá um passadinha lá.



Stardust

  Amei o blog Stardust assim que o vi. É um blog muito fofo, escrito pela Josy, de 17, que não tem cabelo liso... rsrsrs. Fui convidada para colaborar no blog dela, mas cheguei tarde demais e a vaga já tinha sido preenchida, mas firmamos esta parceria que acredito vai ser muito legal e gratificante para os dois blogs. Convido todos para conhecerem o cantinho da Josy também, aposto que ela vai amar recebe-los lá.

Bem, é isso espero que tenham gostado. Super indico e apoio estes blogs!

                                                   

Sinopse: A culpa é das estrelas narra o romance de dois adolescentes que se conhecem (e se apaixonam) em um Grupo de Apoio com Crianças com Câncer: Hazel, uma jovem de dezesseis anos que sobrevive graças a uma droga revolucionária que detém a metástase em seus pulmões, e Augustus Waters, de dezessete, ex-jogador de basquete que perdeu a perna para osteosarcoma. Como Hazel, Gus é inteligente, tem ótimo senso de humor e gosta de brincar com os clichês do mundo do câncer - a principal arma dos dois para enfrentar a doença que lentamente drena a vida das pessoas.Inspirador, irreverente e brutal, A culpa é das estrelas é a obra mais ambiciosa e emocionante de John Green, sobre a alegria e a tragédia que é viver e amar. 
obs.: Pode conter spoiler.  

  Eu precisava desesperadamente ler esse livro. Não preciso dizer que vi inúmeros comentários positivos ou por que não dizer, idolatrando, a obra de John Green. Embora, normalmente seja costume meu odiar livros que caem no gosto popular (não sei porque), A Culpa é das Estrelas me atraía de um modo que ainda não consigo explicar. Então... tive que ler.
  Vou confessar que no início fiquei meio com medo do que eu ia encontrar, já disse algumas vezes que não sou fã de romance, além disso temia que tudo o que tivesse lido a respeito do livro, pudesse influenciar tanto para o "bem" quanto para o "mal". Tentei ler do modo mais imparcial possível. Eis o que eu achei.
  A história é narrada em primeira pessoal por Hazel Grace, uma menina forte e de humor negro com ninguém que sofre de câncer. Sua vida parece uma rotina chata, que na verdade só piora, devido a  culpa que ela sente por ter que "acabar com a vida de seus pais" por assim dizer, não por se sentir um peso para eles, mas por temer a reação deles quando o inevitável dia de sua morte chegasse.
  Por insistência de sua mãe, Hazel, vai a um Grupo de Apoio, uma rotina que já está acostumada, os mesmos discursos, as mesmas orações... Ele só tem um amigo ali, se é que podia chamar de amigo, Issac só era um menino que como ela, não gostava muito daquele lugar, eles apenas trocavam olhares e coisa e tal. Mas naquele dia ele vinha acompanhado de alguém que Hazel nunca tinha visto: Augustus Waters.
    Mas antes de eles serem levados a grande paixão que todos os leitores almejam, eles viram grandes amigo, unidos pelo fardo que os dois carregam juntos. Hazel é super fã de um livro de Peter Van Houten, "Uma Aflição Imperial", ela lê e rele o tempo todo, e como cara super fofo que Gus é, ele dá um jeito de levá-la Amsterdã para conhecer o autor. A partir daí, já da pra imaginar o que ia acontecer.
   Para ser bem sincera não achei a história tão incrível assim. Achei que seria uma daquelas histórias que tiram o fôlego e te surpreende de todas as formas, mas não foi assim. Mas calma... não me matem ainda, não terminei. Apesar disso A Culpa é das Estrelas foi um grata surpresa para mim, acreditem foi um dos melhores livros que li recentemente, é uma história comovente e não do modo tradicional, o romance não é superficial, o enredo muito bem bolado, intenso, mas sem ser cansativo e de uma narração brilhante, suave e poética. Não foi uma história arrebatadora, mas sem dúvida, foi marcante.
  Hazel... meu Deus! Me encantou, ela é uma garota inteligente e que não se deixa ser abalada pela doença, ela aprendeu a conviver com todos os "problemas" (por falta de palavra melhor) que o câncer lhe causou, não só os físicos, mas principalmente os emocionais. No incio, ela me parecia muito grossa, mas na verdade, percebi que no caso dela, e diante de algumas situações semelhantes a dela, eu também seria assim. Amei o jeito irônico que ela encara as coisas.
  Gus... gente que amor! Ele é tão fofo! Simplesmente me encantei com os diálogos dele com Hazel. Ele sempre com as palavras certas... Tão doce. Ele rouba todas, absolutamente todas as cenas.
   Gostaria de dar destaque também ao Isaac. Mesmo não aparecendo tanto no livro, gostei de como colocaram as situações dramáticas tão realistas para ele, não foi aquelas que te fazem chorar, mas realmente algo que poderia acontecer e acredito deve acontecer. Amei as cenas angustiadas dele.
   Amei saber sobre a versão cinematográfica do livro. Louca para ver...
   Enfim, nota 10. Se tiverem a oportunidade de ler, não perca a chance, é um livro que não tem como não amar.

 

Gostaria de pedir desculpas aos parceiros e seguidores do blog, pela ausência nesses dias. Infelizmente minha internet estava com problemas e não foi possível escrever quase nenhuma resenha aqui no blog e nem comentar no blog de vocês. Só reforçando: mil desculpas por isso. Graças ao milagroso wi-fi poderei estar mais tempo com vocês.
  Beijos,
  Scar.

 Sinopse:
 Em uma terra onde o verão pode durar décadas e o inverno toda uma vida, os problemas estão apenas começando. O frio está de volta e, nas florestas ao norte de Winterfell, forças sobrenaturais se espalham por trás da Muralha que protege a região. No centro do conflito estão os Stark do reino de Winterfell, uma família tão áspera quanto as terras que lhe pertencem.  Dos lugares onde o frio é brutal, até os distantes reinos de plenitude e o sol, George R.R Martin narra uma história de lordes e damas, soldados e mercenários, assassinos e bastardos, que se juntam em um tempo de presságios malignos. Entre disputas por reinos, tragédias e traições, vitória e terror, o destino dos Stark, seus aliados e seus inimigos é incerto. Mas cada um está se esforçando para ganhar  este conflito mortal: A guerra dos tronos.
obs.: Pode conter spoiler.

A guerra dos tronos é a mais importante obra de fantasia desde que Bilbo encontrou o anel."
-SF REVIEWS

 Tenho que admitir, depois de ler essa frase não tinha como não ler esse livro. E verdade... Não me arrependi nadinha, são válidas todas as 567 magníficas páginas. É até meio difícil fazer essa resenha, por que George R.R Martin, conseguiu fazer um livro sensacional, desde o que se diz a narração (que conseguiu resgatar as palavras poéticas e a magia) até estrutura, cenário e história. Não é à toa a comparação a Tolkien (para quem não sabe autor de Senhor dos Anéis), mesmo diferente em muitos aspectos, os mundos que estes dois gênios literários criaram, são realmente envolventes. Não quero prolongar muito se não vou desmanchar em elogios que são muito bem cabíveis a obra de arte que é esse livro. 
 O livro é narrado na terceira pessoa, mas ao contrário de livros assim, você tem muita facilidade em amar e odiar personagens em segundos, a estrutura dos capítulos permite isso como maestria. A cada capitulo é mostrado um ponto de vista de outro personagem, ou seja, acaba que todos são meio protagonistas. Você consegue entender a raiva de alguns, e a coragem que move outros, conseguimos captar a essência das intrigas que fazem essa guerra. No início imaginei que essa estrutura pudesse atrapalhar um pouco, mas foi o que deixou o livro ainda melhor, a única coisa que atrapalha um pouquinho, é conseguir lembrar os nomes dos personagens, que surgem aos montes e de todas as direções.
 O livro dá-se inicio quando Eddard Stark aceita a privilegiada, porém perigosa posição de Mão do Rei, em outras palavras, ele se torna o segundo mais poderoso, abaixo apenas de seu velho amigo e rei,  Robert Baratheon. Tudo seria mais fácil se ele não acreditasse que o último Mão, foi morto pela Rainha do clã dos Lannister, que logo percebemos, não é exatamente uma família muito confiável. A partir de então sua vida vive cercada de mistérios e tragédias que vão definindo os rumos da guerra que está pra surgir. Ainda há muitos outras histórias, sub-tramas, que na verdade vão interligando, ou vão se interligar no futuro.
 Os personagens são muito diferentes entre si, as personalidades são bem complexas, até mesmo das crianças. Obviamente você acaba se apaixonando muito por uns (Jon e Arya, no meu caso) e odiando outros (Sansa... essa menina me dá nos nervos) e até alguns relações de amor e ódio (essa são muitas...). O legal também é ver a evolução dos personagens, alguns começam meio invisíveis, mas vão se destacando na trama a medida que avança pro final. 
  Cenas lindas e feias, engraçadas e tristes, amor e ódio... Não tem como não amar esse livro. Ele sempre vai surpreendendo e te dando mais motivos pra continuar lendo, e tudo envolvido numa narração de tirar o fôlego. Pra quem gosta de livros medievais, magia e intrigas esse livro é perfeito.  
   Recomendo infinitamente.