Boyhood 
Direção e Roteiro:  Richard Linklater
Elenco: Ellar Coltrane, como Mason
              Lorelei Linklater, como Samantha
              Patricia Arquette, como a mãe
              Ethan Hawke, como o pai
Estréia: 2014










  A vida de cada pessoa é formada por intervalos entre pequenos dramas. É através desses momentos, às vezes alegres, outras vezes tristes, que definimos o que somos e o que seremos. Normalmente, são acontecimentos simples, como aquele garoto(a) que não olha para você de jeito nenhum, mas que você deseja tanto; o corte de cabelo que você pensa que deixou sua aparência horrível, mas que quando é elogiado, você esquece a vergonha; uma briga entre seus pais por motivos de dinheiro ou algum outro problema que você pensa que entende, mas não compreende; a prova que terá no dia seguinte e que pensa que não estudou o suficiente para tirar boa nota, e assim por diante. 

Para quem está fora de seu círculo familiar, ou de amizades, todas essas coisas podem parecer corriqueiras, sem importância, mas, para você, é o que deixa marcas para sempre.

Assim é Boyhood, o filme que Richard Linklater escreveu e dirigiu durante 12 anos. 

Sim, você não leu errado! 

Durante 12 anos, de 2002 a 2013, Linklater reuniu seu equipe e atores por 3 ou 4 dias e filmou uma parte da história que imaginou. Podemos acompanhar a vida de Mason, iniciando quando ele tinha 6 anos de idade e entrou para a escola, até seus 18 anos, quando vai para a faculdade. E de sua irmã, Samantha, e de seus pais.






  Colocando de lado a história, é espetacular acompanhar as mudanças físicas dos atores principais. Vemos Ethan Hawke, como o pai dos dois garotos, ganhar cabelos brancos e rugas; vemos Patricia Arquette magra, gorda, magra de novo; e vemos Ellar Coltrane e Lorelei linklater (filha do diretor) crescerem, mudarem de penteados, de comportamentos, suas feições ganharem novos contornos, mas manterem os mesmos trejeitos, que se tornam familiares durante a projeção.




   Como disse no início deste texto, o que vemos em tela é uma reunião de acontecimentos corriqueiros que se unem e moldam o que os personagens se tornam através dos anos. Não acontece nada de espetacular, ou marcante, para quem assiste, mas é fácil perceber como esses acontecimentos são importantes para quem os vive. A identificação com aquilo que nós mesmo enfrentamos em nosso mundo particular é imediata, porque também somos formados por momentos similares ao que vemos na tela.






 Boyhood pode ser analisado de diferentes perspectivas e poderia dissertar sobre ele por páginas. Mas vale sentir a experiência das vidas que correm na sua frente durante os 165 minutos de filme.






 Cada ano que passa é identificado pelo que os personagens usam, como videogames, músicas, roupas, programas que assistem, filmes, livros, opiniões políticas, enfim, aquilo com que estamos acostumados. 




  Também é possível traçar uma linha paralela identificando as diferenças entre a sociedade americana e a brasileira. Temos um meio de vida tão diferente e, ao mesmo tempo, tão parecido. No fundo, são os mesmos problemas, mas com roupagem diferente.




  As escolhas que os personagens fazem durante esses 12 anos, principalmente as erradas, são tão críveis, tão comuns, que muitos conseguirão se visualizar como se estivessem olhando para um reflexo no espelho. E é essa simplicidade que torna o filme magnífico.




 Essa cumplicidade é evidenciada por Mason nos últimos segundos do filme, quando ele dá uma olhada rápida, quase imperceptível, diretamente para a câmera, olhando para quem assiste ao filme, e você, nesse momento, se o olhar de volta, sabe o que ele está querendo transmitir: que você é o ator principal de seu próprio filme.






Trailer



--------------------   -----------------------   ----------------------   ---------------------  ---------------------------- 

 E aí vocês curtiram o post? Não sei se deu para notar, mas não foi nem eu, nem Mar que publicamos. Queremos apresentar a vocês...
(suspense)
....
CARLOS!
 Vocês vão ver muito ele por aqui, porque ele vai ser colunista do MLW. Tá ou não tá aprovado? rsrsrs

O My Little Wonderland também está participando de um projeto, então vocês verão essa imagem aqui embaixo sempre depois dos posts, ok? Se quiser saber mais só apertar nela.





Comente com o Facebook:

10 Comentários

  1. Poxa, eu não conhecia esse filme, mas achei sensacional a ideia desse diretor! Deu vontade de assistir. *.*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Léty! Eu também não conhecia, mas um colega me indicou. Vi o trailer e fiquei super curioso. Valeu a pena, demais! Obrigado pelo comentário! ;)

      Excluir
  2. Li achando que eram vcs meninas hahaha. Bem-vindo Carlos, você inicia com o pé direito!
    Não conhecia o filme, e achei super interessante e inovadora essa ideia. Deve ser sensacional assistir e notar todas essas mudanças que vc citou na resenha. Adorei conhecer, irei assistir com certeza, e aguardo mais posts seus.
    Um beijo em todos,
    aculpaedosleitores.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Bia! Obrigado! :) Espero que apareça sempre por aqui e vou tentar fazer resenhas que agradem como esta. Vlw :D

      Excluir
  3. Adorei o post, muito bom! Parabéns pela escrita ♥
    Sobre o filme, não conheço e parece ser bem diferente!

    Blog Babi Marchi ♥

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não deixe de ver, Barbara. Vale muito! Obrigado pelo comentário e abs! ;)

      Excluir
  4. Olá, tudo bem?

    Estou muito ansioso para ver esse filme. Ele parece ser muito emocionante. E, acredito que, para que assiste é uma experiencia incrível. Vai ser como fazer parte do crescimento e amadurecimento, não só do personagem, como, também do ator.
    Muito bom!

    Obrigado pela dica.
    Parabéns pela resenha.

    Abraços

    Visite-nos
    http://soubibliofila.blogspot.com.br/
    http://soubibliofila.blogspot.com.br/2014/11/trilha-literaria-10-lollola.html

    Tem promoção no blog

    http://soubibliofila.blogspot.com.br/2014/11/concorra-um-exemplar-de-licao-de.html

    Participem!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É isso mesmo, Daniel! Veja, sim! Obrigado pelo comentário! :)

      Excluir
  5. Ola adorei o post, tudo bem explicadinho. Sobre o filme não conhecia mas achei super interesante, adoro filmes e com certeza vou assistir esse. Obrigada pela dica!

    ResponderExcluir
  6. Realmente fiquei com mais vontade de assistir, até para poder ter toda essa reflexão que vocês descreveram no post. Eu não tava muito entusiasmada pelo filme mas agora acho que estou bem afim de assistir. Eu adoro assistir filme a noite tomando chocolate quente ou cházinho, acho que esse vai ser uma boa pedida assim que sair no netflix.

    http://lovelyspootnick.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir