" Isto não é literatura, isto é uma bobagem. É moda, vai passar. Criança deve ler tudo, o que tem vontade, o que gosta, mas eu sei que não é bom."
veja a matéria completa AQUI.


 Segundo, as palavras da autora Ruth Rocha "Harry Potter não é literatura". Bem, antes de tudo para não confundirem o que estamos fazendo aqui com uma ataque à autora, queremos dizer que a admiramos muito e suas obras foram parte importante e muito especial da nossa infância. Mas com certeza não concordamos com esta declaração, ao nosso ver, absurda.

  Não vamos falar como fã de Harry Potter ou da escritora J.K Rowling , ou mesmo das sagas famosas por aí. Falamos como blogueiras, como críticas e amantes da boa literatura. Harry Potter para nós é como os clássicos, uma boa narração, uma boa história e como enredo que marcou milhares de vidas.

O que faz uma literatura ser boa? O que a classifica como literatura?

Pessoalmente, somos muito fãs de livros que possuam críticas sociais e políticas, aqueles que te fazem pensar. Livros como Jogos Vorazes (sim, uma saga adolescente), mas claro, clássicos como, Fahrenheit 451, Os Miseráveis e Conde de Monte Cristo, e muitos outros que não podem ser citados aqui, porque assim nossos devaneios demorariam muito a chegar ao fim. Mas e os livros que não falam, aparentemente, de nada? Livros de fantasias, os romances leves e divertidos, os de ficção científica? Livros como O Senhor dos Anéis, As Crônicas de Nárnia, Peter Pan, Alice no País das Maravilhas... Mesmo que para muitos isso passe despercebido, todos eles falam alguma coisa, nos enriquece de algum modo. Como Frodo em sua persistência em levar o anel até Mordor, nos ensinando a perseverar mesmo quando nosso tamanho pode ser um problema. O crescimento de Eustáquio e Edmundo nas terras de Nárnia, deixando de ser crianças rebeldes e  tomando decisões.

  Cada pessoa tem sua opinião e seu gosto próprio de leitura. Não é necessário gostar de Harry Potter, mas dizer que a obra não é literatura é uma ofensa.  Não gostamos do modo de escrever de Stephenie Mayer nem de sua obra mais famosa, Crepúsculo, mas não nos dá o direto de desclassifica-lo como literatura. Para nós, não uma tão boa, embora outros a classificariam assim, mas ainda uma literatura, querendo eu admitir ou não.

  Nas palavras da própria Ruth " O que eu acho que é literatura é uma expressão do autor, da sua alma, das suas crenças, e cria uma coisa nova. Esta literatura com bruxas é artificial, para seguir o modismo. "

 Então, porque Harry Potter não é literatura? Acompanhem meu raciocínio: "Esta literatura com bruxas é artificial, para seguir o modismo", de fato isto poderia ser aplicado a muitos livros que se seguiram após o estrondoso sucesso de Harry Potter, mas jamais a ele próprio, uma vez que ele que deu inicio a este moda. Segundo: "O que eu acho que é literatura é uma expressão do autor, da sua alma, das suas crenças, e cria uma coisa nova". Alguém neste mundo ainda tem alguma dúvida que o universo do bruxinho foi totalmente inspirado na vida da J.K Rowling? E mesmo que não, como alguém poderia jugar se uma obra é ou não uma expressão da alma de seu autor?
 
O que me deixou espantada nesta declaração não foi simplesmente o ataque ao livro de Harry Potter, mas como, mesmo que implicitamente, isso também desqualificaria tantos outros livros, incluindo mesmo aqueles que foram publicado antes. "Esta literatura com bruxas é artificial." Imaginem só quantos livros se encaixariam nessa categoria! Todos os universos mágicos e de fantasia seriam praticamento excluídos da literatura.






  Não estamos dizendo que Ruth Rocha está completamente errada. Talvez sejamos as mais radicais quanto o que se diz a esse universo todo de sagas e modas literárias. Entendam, de fato, já não há tantos livros como os de antigamente. Únicos, pioneiros, com enrendo fascinantes e escritas que beiram a perfeição. Livros com escrita fraca e com enrendo fraco são vistos com bem mais frequência em livrarias e sim, com uma temática fantasiosa, e mais recentemente, distópica. É uma pena não podermos apreciar livros como os de antes, mas também vejo nisso oportunidade para que outros cheguem à leitura. Não conhecemos ninguém que tenha embarcado nesse universo lendo Shakespeare e Tolstói, mas muitos que começaram lendo essa "não literatura com bruxos artificiais", hoje leem. Além do mais, não dá, simplesmente para generalizar. Do mesmo modo que muitos livros nos decepcionam, outros com mesmo gênero nos surpreendem.

  Harry Potter é uma literatura de massa e também, pode-se dizer, moda. Mas realmente, voltamos a dizer, que isso não desqualifica-o como literatura. Não é bom esquecer que muitos dos livros que consideramos clássicos hoje já foram moda um dia. E quem sabe num futuro Harry Potter não seja também um deles, clássico.

 Para encerrar este nosso devaneio, citamos os grandes nomes da LITERATURA, J.RR Tolkien, C.S Lewis, George R.R Martin, Julio Verne, J.M Barrie. Lewis Carrol, Monteiro Lobato... J.K Rowling. Sim todos eles, que marcaram nossas vidas com histórias incríveis, histórias repletas de magia e de criaturas míticas, a eles que nos ensinaram a sonhar, a ler, que fizeram parte de nossas infâncias. Um grande obrigado a todos eles, por que para nós, suas obras sempre serão parte da nossa literatura.



Comente com o Facebook:

Um Comentário

  1. Eu amo Harry Potter e foi a partir dele que me vi inserida no mundo literário!!! <3

    ResponderExcluir