A maioria dos blogueiros que conhecemos estão bem felizes com a Bienal do Livro do Rio de Janeiro e embora nós tenhamos nos preparado muito para ir ao Rio esse ano, não vai acontecer... De novo. Claro que para nós não é um problema porque há alguns anos já acompanhamos outra bienal aqui e agora podemos dizer que estamos bem mais felizes.

   Esse ano vamos cobrir um lançamento de um livro na Bienal de Pernambuco em parceria com a Editora Deuses e hoje estamos trazendo uma entrevista que fizemos com o autor do lançamento  "Onde o Sol Nasce Primeiro",  Rodrigo Bezera.

   Confiram!



 1 - Nos fale um pouco sobre você.


 Meu nome é Rodrigo Bezerra, 29 anos, Professor, Casado e Pai de uma criaturinha linda que o universo me deu para crescermos juntos.


2 - Poderia nos falar um pouco sobre o livro?


 "Onde o Sol Nasce Primeiro" conta a história instigante de um grupo de pessoas que vive num determinado lugar do planeta acreditando que o apocalipse já aconteceu; o mundo acabou.  As pessoas que lá vivem carregam a missão de reconstruir e repovoar o mundo em princípios de paz e harmonia com a natureza; consideram-se especiais pela sublime missão. O grupo é liderado por um homem responsável por guiar o seu povo. O líder diz ter contato direto com deus e repassa para os demais as ordens divinais. De tempos em tempos, o líder, em nome de deus, escolhe um dos membros da comunidade para ir morar no céu. O escolhido é colocado numa jangada e segue pelo mar... Quem vai, nunca mais volta. Todos almejam a escolha que se dá, segundo o líder, por critérios de fidelidade a deus. Tudo segue tranquilamente nesta lógica até que um dos habitantes encontra, desacordada na praia, uma estranha mulher que chega para por à prova todas as verdades construídas sobre aquela gente. 


 3 - De onde surgiu a ideia para o livro?


 A ideia surgiu do meu interesse particular pela análise da relação Homem-Sociedade-Religião no mundo. Sou professor de Filosofia e Sociologia e tenho nos estudos desta relação a principal ferramenta para compreender as diferentes formas de o indivíduo socializar-se. Acredito que o homem social é, em grande parte, o resultado da sociedade a qual ele está inserido e nesta construção a religião é, sem dúvida, fator determinante na intensidade da liberdade filosófica deste homem. Sempre quis escrever algo sobre isso e foquei nesta ideia para desenvolver o meu primeiro romance.

  4 - Esse é o seu primeiro livro, já escreveu outros ou tem outros em mente?


Sim, é o meu primeiro livro. Estou estruturando um livro de poesias e nas páginas finais de um segundo romance. No campo abstrato das ideias, tenho centenas de histórias que considero interessantes e aptas para transformarem-se em livros. O mundo é inspirador; as pessoas são inspiradoras. Diariamente, quem tem a mente programada para captar histórias, depara-se com um enredo fantástico acontecendo no mundo real dos homens.

5- Demorou cerca de quanto tempo para escrevê-lo? Encontrou bloqueios criativos?


 Demorei cerca de três anos para escrever o romance. Escrever a história em si não demorou tanto. O que demandou mais tempo foi o processo de lapidação daquilo que foi escrito num primeiro momento. Quanto mais eu lia e relia o original, mais eu percebia que poderia ficar melhor. Entrei num ciclo vicioso. Havia sempre um novo ajuste a ser feito. Até o dia que, depois de umas dez leituras e releituras, decidi que aqueles seriam os últimos ajustes no original e que a obra deveria ganhar vida nas mentes dos leitores. Eu escrevi o livro para ser lido. Percebi que se eu ficasse nesta de buscar melhorar mais e mais o texto, o livro só seria lido por mim. Sou muito exigente comigo e principalmente com a arte que desenvolvo. Acredito que sempre vou achar que poderia ser melhor, mas sei que a beleza das coisas está no conjunto indivisível de erros e acertos existentes nelas. Sobre bloqueios criativos, não. Não encontrei bloqueios no desenvolvimento da obra. Encontrei bloqueio para conseguir começar a escrever o segundo romance. Sair emocionalmente deste e passar para o outro, exigiu muito de mim. Até achei que eu seria escritor de um livro só... Ainda bem que este destino catastrófico para os meus sonhos literários não se concretizou. Em breve estarei publicando o meu segundo romance.

 6 - Você tem outras atividade além de escritor?


 Sim, como já disse antes, sou professor. Leciono na rede estadual de Pernambuco e na rede municipal do Recife. É esta atividade que, por enquanto, paga as minhas contas.


 7 - Quais foram suas maiores inspirações para o livro?


 José Saramago, Fernando Sabino, Mário Quintana e Dan Brown. Este último foi fundamental na estruturação da obra. Foi a partir da leitura de "Ponto de Impacto" que eu descobri uma forma de contar a história. Os demais, principalmente o José Saramago, foram e ainda são importantíssimos na construção da personalidade escrita que eu busco.


 8- Deixe alguma mensagem para os nossos leitores.


 Leiam. Leiam muito. Leiam de tudo. Não desperdicem a oportunidade de abstrair as informações contidas numa bula de remédio, elas podem salvar a sua vida. Leiam de tudo, desde os clássicos da literatura mundial até os nefastos tabloides sensacionalistas da revista veja. O exercício da leitura é fundamental para o julgamento sadio da qualidade daquilo que se lê. Acredito muito no poder da leitura como mecanismo de expansão da nossa criticidade. Uma das características que nos diferencia das demais espécies é a ferramenta simbólica das letras. Talvez, sem as letras, a nossa espécie não tivesse conseguido chegar até aqui. A escrita em si é uma criação humana relevante demais para ser resumida às justificativas medíocres daqueles que acreditam não gostar de ler.  Leiam. Leiam Muito. Leiam de tudo.  


   Alguém mais está doido para ler esse livro? rsrs
 
   Se quiserem indo conhecendo um pouco sobre o Rodrigo ele tem uma página bem legal no facebook chamada EZERRA, onde ele publica poesias num formato bem artístico produzido manualmente com recortes de jornais e revistas. A página estará passando por umas mudanças, mas já tem um conteúdo muito bom por lá.

   Espero que tenham gostado da entrevista tanto quanto a gente do MLW gostou de fazê-la. Fiquem ligados que em breve traremos novidades para vocês e também a resenha do livro ;)